39ª Semana-2018 – GDC Adult & Young


 
 

A DEPRESSÃO NÃO É O FIM.

(Última Parte)

QUEBRA GELO: Como podemos identificar a depressão? Quais os sintomas mais comuns? (desânimo, incapacidade de sentir alegria, desespero, baixa autoestima, desejo de morrer, dificuldade de concentração, insônia e dores).

TEXTO: 1 REIS 19:1-18
Quando a tristeza não é tratada, satanás encontra uma brecha para usar uma das suas maiores armas contra o homem – A depressão. A depressão pode chegar através de algumas situações específicas, por exemplo, sonhos frustrados, problemas não resolvidos, falta de perdão, decepção, dívidas financeiras, insatisfação, abusos físicos e sexuais.

No texto de que lemos mostra que os motivos que levaram Elias a sintomas depressivos foram: ameaça, medo, sentimento de fracasso, medo de morrer.

PORÉM, DEUS TRATOU COM ELE. COMO? (Contin.)

4 – Mostrou a importância de confessar os medos e fraquezas, bem como, de reagir às ameaças:
— O que tem nos impedido de confessar as nossas fraquezas e de reagir às ameaças?

5 – Mostrou a importância de obedecer a voz de Deus e aos Seus ensinamentos:
— (Ler v:11) O que Deus já nos mandou fazer e temos adiado?

6 – Mostrou a importância de recomeçar:
— O que precisamos recomeçar?

CONCLUSÃO: A depressão deixa marcas irreparáveis quando não tratada. Depressão foi um assunto tratado por Deus. Usando de amor para trazer cura sobre a vida de Elias, assim como Ele quer trazer cura para a nossa vida. A depressão não é o fim. Hoje é o dia da nossa restauração.(ore por milagres e cura).

Observação: A depressão não é apenas espiritual e deve ser encarada como uma doença, porém, também é preciso saber que o inimigo se aproveita da fraqueza emocional e psicológica e atua fortemente na intenção de destruir a vida da pessoa, portanto é necessário muito discernimento e sabedoria para enfrenta-la.

 

NA PRÓXIMA SEMANA : NÃO PODEMOS PERDER A PRESENÇA DE DEUS (1ª Parte)

Data de Aplicação: 24/10/2018

 

Fonte:http://uncaodocrescimento.com.br/a-depressao-nao-e-o-fim-11-06-17/

Adaptado: Pr.Gilberto Luis Cunha.

Deixe uma resposta